domingo, 10 de dezembro de 2017

Atualizada minha lista de materiais de desenho com a correção do nome da cor de um dos lápis de duas pontas.

A cor verde bandeira é, na realidade, verde neon, leiam bem aqui: 
http://saviochristi3.blogspot.com/2017/03/minha-lita-de-materiais-de-desenho-2017.html!

E é claro, substituí o nome da cor amarela fluorescente pelo nome amarela neon!

Hiroshi Sagaishama, Shairon Nagazima, Taichinaro Maguri, Raichiro Yazimbo, Toniro Sakeiro e Nicholaw McJohnson.

Bom, esses são, na sequência, o fundador da empresa (Sagaishama Entertainment) que produz as franquias de vídeo games / mangás / animes fictícios Fateful Fighters (Combatentes do Destino), Buster Boxers (Boxeadores Colossais) e O Extermínio Externo, a dupla de criadores de ambos as primeiras franquias, o criador da última franquia e os dubladores americano e japonês dos respectivos protagonistas das franquias (o costa-riquenho Alejandro Buenavilla, o australiano Anthony Jackobisky e o japonês General Takimo Sagashi).

Fateful Fighters é sobre um grupo de combatentes escolhidos para uma luta da qual não se sai com vida, Buster Boxers é sobre um grupo de boxeadores escolhidos para mostrarem que são os melhores caso os sejam e O Extermínio Externo é sobre um novo projeto do governo japonês, que visa ampliar as forças físicas, mentais e emocionais dos recrutas de todos os exércitos ao redor do mundo, mas, devido a um erro de cálculo, todos os recrutas se transformam em múmias, zumbis e esqueletos. Ambos os primeiros são homenagens aos jogos de luta, já o último é uma homenagem aos filmes de zumbi. As três franquias fictícias existem dentro dos quadrinhos da dupla nonsense Albert & Einstein (conhecida também como a Dupla do Barulho) e dos livros da banda musical os Romanoz (conhecida também como a Maior Banda Musical do Pedaço).

A propósito: um amigo meu, escritor de livros e eu debatíamos sobre meu traço, ele me disse que o meu é tão rico e único que não tenho porque ficar desenhando igual aos desenhistas da Marvel Comics, DC Comics e Dark Horse Comics. E sabem do que mais? Ele me disse bem uma verdade!

Atualizada minha lista de materiais de desenho com uma tonelada de novos lápis de escrever e de cor também.

Adicionei os lápis de duas pontas das marcas Esesp (uma ponta de escrever e a outra de cor, sendo um de cor amarela neon e o outro de cor amarela bandeira), Primeiro Mundo (uma ponta de escrever e a outra de cor verde neon) e Eco Bicolor Faber-Castell (uma ponta de cor preta e a outra ponta de cor verde bandeira) e os lápis de escrever das marcas Esesp, Point Language School e Rossmit Engenharia, leiam bem aqui: 
http://saviochristi3.blogspot.com/2017/03/minha-lista-de-materiais-de-desenho-2017.html!

O lápis com uma ponta de escrever e a outra de cor amarela neon já estava em minha lista na realidade, mas eu, agora, aglutinei os lápis todos em questão na mesma seção.

Abelardo "Abel" Vicenzio e Emengarda Colatto.

Foto
Bem, Abelardo "Abel" Vicenzio é personagem coadjuvante da dupla nonsense Albert & Einstein (conhecida também como a Dupla do Barulho) e Emengarda Colatto é personagem coadjuvante da banda musical os Romanoz (conhecida também como a Maior Banda Musical do Pedaço), esta última em livros em vez de em quadrinhos.

Ele é famoso por, ao lado da banda musical as Descoladas (Beatriz (vocal e violão), Maria Clara (bateria) e Michelly (triângulo)), interpretar os temas de aberturas dos animes fictícios Fateful Fighters (Combatentes do Destino), Buster Boxers (Boxeadores Colossais) e O Extermínio Externo; além de dublar seus respectivos protagonistas: o costa-riquenho Alejandro Buenavilla, o australiano Anthony Jackobisky e o japonês General Takimo Sagashi (todos dublados no Japão por Toniro Sakeiro e nos Estados Unidos por Nicholaw McJohnson). Eu o criei como uma homenagem aos atores, dubladores e cantores dos eventos de anime e ele fez sua estreia em As Novas Tiras Cômicas, Charges e Cartuns de Albert & Einstein e Sua Turma, Volume 1.

E ela é famosa por tocar múltiplos instrumentos musicais, com especial predileção pelo teclado. Eu a criei como uma versão feminina do próprio Abelardo "Abel" Vicenzio e ela fez sua estreia em As Novas Tiras Cômicas, Charges e Cartuns dos Romanoz e Sua Turma.

sábado, 9 de dezembro de 2017

Os Amigos do Universo, versões de Luiz Felipe Oliveira Champloni.



Bom, a equipe de patrulheiros espaciais os Amigos do Universo (conhecida também como os Detetives Espaciais) são uma de minhas três principais criações (a segunda no caso, as outras duas são a dupla nonsense Albert & Einstein (conhecida também como a Dupla do Barulho) e a banda musical os Romanoz (conhecida também como a Maior Banda Musical do Pedaço), esta última em livros em vez de em quadrinhos).

A história (que mistura os gêneros narrativos policial e aventura) mostra os agentes percorrendo diversos cenários da geografia, astronomia e espaço atrás de muitos vilões.

Essas são algumas releituras feitas por meu amigo desenhista Luiz Felipe Luiz Felipe Oliveira Champloni, que decidiu transformar os heróis em pintura com inteira e total maestria.

Veremos se vocês possuem um bom olhar clínico e identificam quem é quem nas pinturas: Capitão Cosmo, Marck o Marciano, KX9 o Robô, Estela a Cadela, Princesa Astral, Misse Celesta, Cosmo Júnior, Madame Íris, Dona Saturdia, Comandante Gálax (chefe da equipe), Professor Sidéreo (colaborador), Galac & Tico os Policiais (colaboradores) e Logus Mícron (banco de dados); junto com os veículos: o Cruzador Cósmico dos Amigos do Universo, o Espaçomóvel do Professor Sidéreo e as Espaçomotos de Galac & Tico os Policiais.

Séries de quadrinhos da equipe: Os Amigos do Universo, Um Conto dos Amigos do Universo, A Princesa Astral, Os Detetives Espaciais, Arigatô aos Amigos do Universo (em estilo mangá) e Olá aos Amigos do Universo (um reboot da franquia, com textos e desenhos renovados); mais as edições especiais dos Amigos do Universo (que pertencem à cronologia oficial) e o livro Os Corajosos Amigos do Universo – Uma Equipe de Heróis para Lá de Espaciais (situado entre Os Detetives Espaciais e Arigatô aos Amigos do Universo).

A propósito: entre este mês e o próximo, farei mais desenhos relacionados aos agentes!

E em tempo: podem fazer fãs-artes minhas sempre que quiserem!

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Caracas, Georgetown, Paramaribo e Caiena, ilustração quádrupla, 2ª. repostagem.

Bem, eu faria um desenho inédito hoje, mas meu escâner não está bom e eu então decidi evitar utilizá-lo (postaria um novo desenho feito no computador, só que não pensei em nada).

Em troca, vai a 2ª. repostagem da versão quádrupla das capitais federais (ou departamental no último caso) dos quatro países (ou departamento ultramarino no último caso) mais pobres e desvalorizados da América do Sul: a Venezuela, Guiana, Suriname e Guiana Francesa.

Como essa ilustração fez bastante sucesso e eu quero que meus novos amigos a vejam, decidi repostá-la mais uma vez, vejam se ela ficou boa o bastante.

As quatro capitais em questão também serão vistas em um de meus livros, previsto para o mês que vem: Os Romanoz 7 – Visitando a Venezuela e Guianas.

Sinopse: No auge de sua carreira, os Romanoz são convidados para uma turnê pelos quatro países mais pobres e desvalorizados da América do Sul: a Venezuela, Guiana, Suriname e Guiana Francesa. E é claro que o quarteto topa a proposta, mas supor que estará em perigo... Um novo e misterioso vilão, aliado a dois vilões mais antigos promete dar um fim conclusivo, decisivo e definitivo à Maior Banda Musical do Pedaço!

Nota: a partir deste volume, haverá novos elementos interativos, com o enredo atualizado e mais detalhes e informações sobre cada personagem, mas mantendo o mesmo ritmo da narrativa original estabelecida e seguindo fielmente os livros anteriores.

Os Romanoz são compostos pelos irmãos Rômulo (guitarra), Remo (bateria), Romão (vocal) e Renata (flauta) Romano e já tiveram (como ainda terão) passagens bem autênticas e expressivas por meus quadrinhos.